Como melhorar seu Desempenho Cognitivo sem precisar de Ritalina

O que todo concurseiro deveria saber sobre desempenho cognitivo (a farsa da Ritalina).

O uso de drogas estimulantes cerebrais vem crescendo no mundo. No Brasil a venda de Ritalina, uma droga utilizada para tratar pacientes com TDAH (transtorno de déficit de atenção e hiperatividade), cresceu quase 800% em 10 anos [1]. Algumas estatísticas americanas apontam até 30% dos jovens consumindo algum tipo de estimulante. Essas drogas têm causado 2 vezes mais mortes que as drogas ilegais e muitas vezes são a porta de entrada para outras drogas [2].

Concurseiros e vestibulandos, que investem muitas horas diárias em estudo e meses ou anos dedicados a esse propósito, buscam formas de aumentarem sua capacidade de atenção, de absorção dos conteúdos e também o tempo que conseguem ficar estudando sem cansar. Será que vale a pena tomar alguma droga estimulante, como a Ritalina?

De acordo com a ciência atual, não há benefícios de melhora cognitiva e concentração que sejam estatisticamente significativas no uso da Ritalina ou outras drogas estimulantes por pessoas que não apresentam TDAH [3]. Mesmo que a pessoa perceba alguma melhora, o mais provável é que seja devido ao efeito placebo. Além disso, ainda não se conhece suas consequências a longo prazo. Então qual seria a melhor forma de otimizar seu desempenho cognitivo sem prejudicar sua saúde e sem os efeitos colaterais das drogas estimulantes?
A base para uma saúde cerebral está na prática de atividade física regular, na alimentação saudável e no sono de qualidade. Talvez você já saiba isso, mas ainda não está praticando. Vou te ajudar a implementar isso na sua rotina [4].

Atividade física: dê preferência para atividades aeróbicas e que você goste. Pedalar, correr, dançar, treinamento funcional. Comece aos poucos, 30 minutos de atividade 3 vezes por semana. Experimente fazê-las logo pela manhã ou no meio dos estudos (utilize como descanso dos estudos). Lembre-se que há estudos comprovando o benefício cognitivo do exercício físico [4]. Não invente desculpas.

Alimentação: ajuste sua alimentação para comer comida de verdade. Fuja dos industrializados. Evite ao máximo açúcar e trigo. Coma bastante verduras e frutas. Ovo é um alimento nutritivo e rápido de fazer e comer. Gorduras boas como azeite de oliva e óleo de coco podem te ajudar a saciar a fome. Beba água durante todo o dia. Evite o consumo de álcool.
Sono: Procure dormir e acordar no mesmo horário. Durma em um ambiente 100% escuro, silencioso e com uma temperatura amena. Procure dormir pelo menos 8h por noite. Lembre-se que é durante o sono que os conhecimentos se consolidam na sua memória.

Práticas complementares como Yoga, meditação, “Mindfulness” e terapia cognitivo- comportamental podem te ajudar, principalmente na concentração e no controle da ansiedade, inclusive naquela ansiedade durante a realização das provas [5]. Suplementações de vitaminas do complexo B, ácido fólico, zinco e magnésio podem ajudar, mas devem ser avaliadas de forma individual [6]. O consumo de cacau também se mostrou benéfico na performance cognitiva (quem não gosta de chocolate? Prefira os com mais de 70% de cacau) [7].

Faça sua avaliação médica e veja se você precisa de alguma suplementação ou tratar alguma alteração metabólica. Um corpo funcionando bem, com energia e vitalidade vai te ajudar nessa jornada. Em disputas acirradas, em que apenas uma questão pode mudar o resultado dos seus esforços, pequenas melhorias podem fazer toda a diferença.

Se você realmente for diagnosticado com TDAH a Ritalina pode ser necessária para você. Consulte um médico especialista (neurologista ou psiquiatra) para uma avaliação.

Acredite em você. Visualize e mentalize sua aprovação diariamente. Isso te dará aquela força extra que faz a diferença para os campeões. Quando você tem certeza do sucesso ninguém poderá te impedir de alcançá-lo. Nunca desista dos seus sonhos. Se alguém conseguiu, você também consegue!

Referencias Bibliográficas
1- Instituto de Medicina Social da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ).”https:// www.gazetadopovo.com.br/saude/consumo-de-ritalina-cresce-775-em-dez-anos-no-brasil- ebz0rl9xn2e6034u08vv6y8um/
2- Pharmacy 2018, 6, 58; doi:10.3390/pharmacy6030058
3- G. Fond et al. / Psychiatry Research 229 (2015) 12–20
4- E.P. Cox et al. / Journal of Science and Medicine in Sport 19 (2016) 616–628
5- Grensman et al. BMC Complementary and Alternative Medicine (2018) 6- Am J Clin Nutr 2017;106:1032–40
7- Am J Clin Nutr 2015;101:538–48